quarta-feira, 25 de novembro de 2015

O verdadeiro mal

Pelo que o Filho disse, "até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados" (Lc. 12:7) e quando ensinou como suplicar ao Pai, disse "e não nos conduzas em tentação, mas livra-nos do mal" (Lc. 11:4), e por tantas outras palavras verdadeiras (especialmente 1 Coríntios 6 e 1 Pedro 2), conforme o sobre-excelente exemplo do nosso Salvador, em seu mais do que pungente sacrifício, entendemos que "o verdadeiro mal não é o sofrido, mas o praticado".

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Mal transitório, bem eterno

Em algumas partes das Escrituras, tanto o Pai quanto o Filho nos ensinam a não temer os homens, que matam o corpo e depois não têm mais o que fazer (conforme Lucas 12:4), dizendo ao povo através de Isaías que: "Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois és tu, para que temas o homem, que é mortal, ou o filho do homem, que se tornará em feno?" (capítulo 51). Sabemos que fomos chamados à eternidade através do Cordeiro, e que "Deus [EU SOU¹] age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito." (conforme Romanos 8:28); e se entendemos que do Criador provém toda virtude, como toda bondade, compreensão e sabedoria (conforme escreveu o discípulo Tiago), podemos entender também que toda desvirtude provém de baixo (das entidades obscurecidas que procuram enganar a cada pessoa deste planeta), e que algumas destas desvirtudes se tornam em fraquezas, as quais, naqueles que desobedecem às boas novas, se tornam em transgressão contra o Pai e em injustiças contra o próximo; males concebidos para operar perdição somente naqueles que os praticam.

Em outras palavras, ainda que alguém nos faça algum mal nesta vida transitória, na verdade esta pessoa vivencia de maneira inconsciente, um anseio de destruição que parte "de baixo" contra si, recebendo a semente da autodestruição, ou seja, a perdição eterna, da qual toda pessoa neste planeta pode ser resgatada, por meio do Filho e do perdão que este conquistou para nós diante do Pai, para que aqueles que vierem a obedecer às boas novas, condenando a carne com as suas paixões e cobiças (conforme Gálatas 5:24), obtenham o perdão que livra da morte eterna, e perdoem aos que sofrem e causam sofrimento (como causamos antes de alcançarmos libertação) pela influência das forças que nos querem mal desde o princípio: as mesmas que trabalham em que julguemos para sermos julgados, em que condenemos para sermos condenados, e em que não perdoemos para não sermos perdoados.

"Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira." (João 8:44)

"Revesti-vos de toda a armadura de Deus [do EU SOU¹], para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." (Efésios 6:11-12)

¹ Êxodo 3:14 

sábado, 14 de novembro de 2015

Pecado para a morte

Geralmente se fala que o Pai não diferencia entre pecadinho e pecadão, porém tanto a Lei, que é boa (conforme Romanos 7:16 e 1 Timóteo 1:8), quanto os apóstolos do nosso Salvador testemunham que esta diferença existe, pois João em sua primeira carta (no capítulo 5) escreveu: "Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não é para morte, orará, e Deus [EU SOU¹] dará a vida àqueles que não pecarem para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que ore." E Paulo em sua primeira carta aos coríntios (no capítulo 5) relata, o pecado para a morte de um que possuía a própria mãe, e sua punição, não por apedrejamento (que seria o cumprimento da Lei na forma de ordenanças, o que foi abolido na consagração da nova aliança), mas pela justiça das coisas invisíveis. Portanto a Lei foi posta para ensinar primeiro aos israelitas, e depois aos gentios, a respeito do que é justo diante de quem a pôs, porque o Messias ensinou que "desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" (conforme Mateus 22:34-40), então quem ama ao grande Rei de todo o coração, não "se deita" com animais, não chama por deuses estranhos, não dialoga com os mortos, não cria para si imagens de deuses estranhos; quem ama ao próximo, não trai o cônjuge e não mata a ninguém, pois todos estes são pecados para a morte, e aqueles que estas (e muitas outras) coisas praticam, não podem herdar o Reino (conforme Gálatas 5:16-25 e Apocalipse 22:12-15). Portanto (conforme Romanos 13:8-14), "o amor não faz mal ao próximo; de sorte que o cumprimento da Lei é o amor".

¹ Êxodo 3:14

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Fé ou obras? Ambos!

A salvação é pela fé, e não por obras? Sim, quando isto foi explicado aos Efésios (capítulo 2), o apóstolo Paulo falou primeiro que as obras da lei, ou seja, os sacrifícios de animais para a expiação de pecados e para a justificação diante do Pai, não nos salva, mas o dom imerecido da nova aliança conquistada pelo Filho, e logo em seguida, esclarece que fomos criados neste para as boas obras (versículo 10), porém existem inúmeras palavras (especialmente as do apóstolo Tiago), inclusive do nosso próprio Salvador, enfatizando a grande importância do praticar a justiça, do fazer o bem. Seguem alguns trechos que merecem ser recebidos e estudados conforme o contexto de cada um:

"Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo." (Mateus 7:17-19)

"Porque sempre tendes os pobres convosco e podeis fazer-lhes bem, quando quiserdes; mas a mim nem sempre me tendes." (Marcos 14:7)

"Está chegando a hora em que todos os que estiverem nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão; os que fizeram o bem ressuscitarão para a vida, e os que fizeram o mal ressuscitarão para serem condenados." (João 5:28-29)

"Colocou-se diante de mim um homem com roupas resplandecentes e disse: Cornélio, Deus [EU SOU¹] ouviu sua oração e lembrou-se de suas esmolas." (Atos 10:30-31)

"Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna." (Romanos 6:20-22)

"Enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé." (Gálatas 6:10)

"Todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo [do Messias], para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más." (2 Coríntios 5:10)

"Que pratiquem o bem, sejam ricos em boas obras, generosos e prontos a repartir." (1 Timóteo 6:18)

"Ele se entregou por nós a fim de nos remir de toda a maldade e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, dedicado à prática de boas obras." (Tito 2:14)

De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-lo? Se um irmão ou irmã estiver necessitando de roupas e do alimento de cada dia e um de vocês lhe disser: 'Vá em paz, aqueça-se e alimente-se até satisfazer-se', sem porém lhe dar nada, de que adianta isso? Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta." (Tiago 2:14-17)

"Vivam entre os pagãos de maneira exemplar para que, mesmo que eles os acusem de praticarem o mal, observem as boas obras que vocês praticam e glorifiquem a Deus [ao EU SOU¹] no dia da sua intervenção." (1 Pedro 2:12)

"Qualquer que é nascido de Deus [do EU SOU¹] não vive na prática do pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode viver pecando, porque é nascido de Deus [do EU SOU¹].  Nisto são manifestos os filhos de Deus [do EU SOU¹] e os filhos do diabo: qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus [do EU SOU¹]." (João 3:9-10)

"Quem, pois, tiver bens do mundo e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar o seu coração, como estará nele o amor de Deus [do EU SOU]? Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade, meus filhinhos." (João 3:17-18)

E na sua segunda carta, Pedro explica como nos pode ser "amplamente concedida a entrada no Reino eterno" (capítulo 1, versículo de 3 a 11).

¹ Êxodo 3:14
Todos os males que perdoamos nesta vida passageira, se tornam pequenos quando devemos a vida eterna ao que nos salvou.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

A fé dos discípulos não era uma religião, mas uma sensata preparação para a eternidade.
O ressentimento é o persistente reconhecimento das obras feitas pelo diabo.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015